Livro: A Vaca na Estrada

De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – A arte na Índia

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é 000-CAPA-A-VACA-NA-ESTRADA.jpg

Uma arte rica

Viajando pela Índia sempre me surpreendi não só com a riqueza da arte indiana. Aquela dos antigos monumentos, templos, mesquitas, esculturas e pinturas. Igualmente me interessei pela produção artística contemporânea do país. Ela é rica no domínio das esculturas em madeira, marfim ou metal, ou pinturas sobre tecido ou papel. Algumas noções dessa arte são, porém, necessárias para melhor compreendê-la.

De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – A arte na Índia

Pinturas indianas

A arte tradicional não assinada

Em primeiro, o fato de a arte tradicional, independente de sua origem religiosa, não ser assinada. Ou melhor, somente por artistas de influência europeia, que assinam suas obras. Aliás, os artistas indianos que têm ido estudar arte em Londres ou Paris adotaram um estilo ocidental de pintura. Muitos, entretanto conservam uma inspiração oriental mais particularmente indiana. Dessa forma, retratam figuras bastante sensuais, mas sem nada a ver com a arte tradicional.

De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – A arte na Índia

Isso ocorre na arte clássica porque, às vezes, produzem uma obra em equipe, sendo um artista especializado em formas e outro em cores, por exemplo. A principal razão, porém, é religiosa: a arte é um dom Deus. Ou seja, o artista é apenas a fonte de onde brota a inspiração divina. O artista passa, portanto a se tornar apenas o instrumento da criação divina e assinar sua arte seria quase uma heresia.

Uma arte diferente da Ocidental

Por isso, estrangeiros acostumados com artistas ocidentais renomados que assinam suas obras galerias tendem a generalizar. Ou seja, classificam depreciativamente como “artesanato” toda a produção artística “das Índias”embora se trate de uma arte cuidadosa, harmoniosa e rica em detalhes. Nesse caso, aliás, me refiro à Índia, e ao Nepal.

De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – A arte na ÍndiaPitchway

A temática

O artista indiano, porém não cria temas a seu bel-prazer; trabalha dentro de motivos tradicionais. Estes são sempre ligados à religião e obedece a normas transmitidas de geração em geração. Para melhor entender sua arte, o ideal, portanto, é encará-la dentro de seus respectivos conceitos religiosos. Ou seja, quase sempre, só artistas indianos de formação ocidental criam temas. Em outras palavras, para o artista indiano tradicional os temas já existem, caso, por exemplo das famosas pitchways. Cabe a ele caprichar cada vez mais, porém sem fugir do tema.

De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – A arte na Índia

Krishna e Arjuna, um dos temas prediletos

As pinturas são feitas sobre algodão de diferentes texturas, sobre lâminas de mármore em relevos, sobre placas de marfim,. Ela têm como tema, sobretudo a vida do deus Krishna. Este é, às vezes retratado acompanhado de seu amigo Arjuna. Em outras pinturas o artista o representa junto com suas adoradoras em atitude de oferenda ou devoção. Normalmente, numa mesma tela o artista apresenta duas ou mais representações de Krishna. O artista também o retrata geralmente sobre uma flor de lótus, rodeado de animais sagrados, como a vaca e também o elefante.

De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – A arte na Índia

Pinturas sobre algodão, marfim, madeira

As pinturas mais fáceis de serem compradas na Índia são as sobre tecidos, como algodão ou seda. São também as mais comuns. Mas, existem também trabalhos sobre placas de madeira, muito bonitos. Finalmente, temos ainda o marfim. Na Índia, os elefantes , utilizados nas aldeias como “tratores”, tem, aliás, suas presas, que podem ferir alguém, serradas. Esse marfim, é claro, é aproveitado. Os animais não são mortos para que suas presas sejam retiradas, como ocorre na África. Mesmo assim, nunca se tem certeza. Ou seja placas como essas, porém maiores, podem ser contrabandeadas da África e extraídas de animais mortos por traficantes. Por isso mesmo quase sempre compro minhas pinturas sobre placas de madeira que lembram muito o marfim. Em suma, sem incentivar o comércio criminosos do marfim.

Arte sobre lâminas de marfim ou de madeira

De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – A arte na Índia

Em Jaipur casais de turistas entravam na loja, examinavam com interesse as peças mais erotizadas, trocavam um sorriso cúmplice. A maioria, porém, não tinha coragem de comprá-las. Afinal, algumas eram muito erotizadas para serem expostas numa sala de visitas. Por outro lado, algumas, consideradas apenas como sensuais atraiam mais compradores. Ou seja, apenas moças em poses sensuais.

De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – A arte na Índia
Matar elefantes, nunca!

Música indiana

A música indiana se codificou nos antiquíssimos tratados conhecidos como Sastra. Trata-se de padrões musicais a serem seguidos. Estes são transmitidos através dos tempos pelos mestres ou gurus, que ensinam essa arte. Na Índia, a música apresenta noções, regras e conceitos mais amplos do que no Ocidente. Existem, dessa forma, o tempo — talam; as notas — svara; as gamas — grama, e ainda os rata — sequências relativas a todo um trecho de música. Esses antigos tratados abordam ainda o rasa — estados de alma provocados pelos ritmos musicais.

De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – A arte na Índia

Os instrumentos musicais

Os instrumentos musicais — vadya — utilizados pelos indianos, são de três tipos. Ou seja, de percussão, corda e sopro. No primeiro está uma série de tambores de argila ou madeira, cobertos com pele de cabra ou carneiro, segundo a região. Alguns são utilizados apenas de um lado, como o tabl e o chenda, um pouco maior, batido com as mãos. Temos, igualmente, o maddalam, tocado com bastões de madeira e pendurado ao pescoço do músico. Outros instrumentos são peças metálicas, na forma de pequenos discos de poucos centímetros de espessura, que marcam assim o passo de certas danças religiosas.

De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – A arte na Índia

Uma grande variedade, instrumentos de sopro, corda e percussão

Entre os instrumentos de sopro existem variedades de flautas, sendo as mais comuns a bansri, no norte, e a murali, no sul, que sempre aparecem em pinturas sobre a vida de Krishna, deus do amor.
Em algumas regiões do sul da Índia os músicos utilizam o nadhaswaram, de som grave, que lembra vagamente uma trombeta. Existe também e o chanku, um tipo de concha trabalhada para produzir alguns sons.

De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – A arte na Índia

A cítara, popularizada por Ravi Shankar

Os ocidentais conhecem sobretudo a sítara. Foi principamente a arte de Ravi Shankar que popularizou a música indiana, depois de seu contato com os Beatles. O grupo britânico usou a cítara pela primeira vez em 1966, ao gravar a canção Tomorrow Never Knows. Sua letra é, em parte, tradução de trechos do Bardo Todol – o “Livro Tibetano dos Mortos”.
O músico indiano, por sua vez, ficou ainda mais conhecido por ser pai da cantora Norah Jones.

BLOGS DE TURISMO SOBRE A ÌNDIA –
As postagens, nesse caso são trechos do livro “A Vaca na Estrada”, viagem de Paris a Katmandu de carro
* Caxemira 1 Caxemira 2 * Delhi 1 * Delhi 2 Porque a Índia
Pendjab * Agra * Benares * Amritzar
Khajurhao, o tantrismo no hinduísmo
As civilizações desaparecidas do Vale do Hindus 
* Para entender a Índia 
* Mumbay * Goa  * Os marajás * o controle da natalidade 
Rajastão 1 * Rajastão 2
* Casamento à indiana * As castas
Viagem de trem na Índia
A colonização inglesa
* Gandhi * Arte na Índia

Você gosta de viajar? Então veja dicas preciosas e fotos dos principais destinos turísticos do mundo:

youtube.com/c/SonhosdeViagemBrasil
instagram.com/sonhosdeviagembrasil
facebook.com/sonhosdeviagembrasil

*  Viajar sozinho ou acompanhado? Que línguas você fala?
Lidar com dinheiro em viagem
*  Qual a melhor época do ano para se viajar 
*   Mulheres viajando sozinhas: dá para encarar? 
Viajar de carro pelo mundo
Viajar avião: as dicas 
* Como planejar e organizar sua viagem

Vídeos

 * Como escolher o destino que combina com você? 
* A bagagem certa para cada viagem
* Quanto tempo você dispõe para sua viagem ?
Como viajar barato pelo mundo?
Melhores aplicativos de viagem
A importância de uma nécessaire de utilitários
Dicas de livros para ler durante uma pandemia ou fora dela

Está querendo viajar? Então, que tal ir pensando onde se hospedar nos lugares que pretende visitar? Escolha e reserve seu hotel

Nossa filosofia de viagem

Todos nossos vídeos têm o turismo como tema. Assim também, temas correlatos, como “gastronomia em viagem” ou “vinhos em viagem” que igualmente se enquadram no tópico turismo. Nossos vídeos refletem nossa filosofia de viagem e de vida. Portanto, quando viajamos, não queremos apenas visitar atrações turísticas ou curtir belas paisagens. Afinal, isso é parte importante da viagem, sem sombra de dúvida. Curtimos, porém, conhecer a cultura, costumes, a gastronomia do país, sua arquitetura, sua produção artística e sua religião.

Veja nosso Índice Geral de Matérias e VídeosVocê vai viajar…

Frase rotativa em diversos idiomas no aeroporto de Estocolmo:
“Sou um cidadão do mundo, minha pátria é em todo lugar”

Posts Relacionados

025 De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – Delhi

Sonhos de Viagem

Turismo em Portugal: Algarve

Sonhos de Viagem

026 De Paris a Katmandu de carro – “A Vaca na Estrada” – Agra

Sonhos de Viagem
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x