Livro; O Ouro Maldito dos Incas

038 – Anno de 1533 – “O Ouro Maldito dos Incas” – a hegemonia inca

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é CAPA-MONTAGEM-PIZARRO-OK.jpg

A troca de populações

Achachíd falou-nos de outros costumes da colonização inca. Assim, nos contou que sempre que desconfiavam da fidelidade do povo local, era também a troca de populações. Ortiz franziu a testa.
Trocas de populações?
– Para evitar rebeliões.

Achachíc explicou. Ou seja, para facilitar a assimilação dos povos dominados, parte de sua população era transferida para áreas no centro do império. Deviam se instalar, portanto, em regiões habitadas pelos quéchuas. Em suma, de modo que pudesse ser mais facilmente controlada. Da mesma forma, agricultores guerreiros incas instalavam-se entre as tribos súbmissas.

Os mitamaes

Esses colonizadores, chamados mitamaes, eram encarregados de vigiar as nações conquistadas. Da mesma forma deviam ensinar-lhe os costumes incas, sua língua e igualmente seus sistemas de irrigação e de construção, mais avançados. Os mitamaes controlavam também a execução das atividades compatíveis com cada estação do ano, que começava no auge do verão, em dezembro.

“O Ouro Maldito dos Incas” – a colonização inca

Encarregados de orgnizar os ayllus dentro dos padrões incas, os mitimaes, se algo não andasse bem, comunicavam o problema ao Tucuy Ricoc, o oficial do imperador, que passava periodicamente por suas aldeias. Qualquer falta era, portanto, punida. Achachíc que já fora um Tucuy Ricoc, disse que essa era função reservada aos nobres mais leais.

“O Ouro Maldito dos Incas” – a colonização inca

As rebeliões de tribos dominadas

E se resolvessem se rebelar? – perguntei.
O inca esboçou um sorriso:
– Bom… Houve certamente rebeliões… Mas soubemos lidar com elas. Ou seja, tínhamos melhores armas, mais variedade e, ainda mais, guerreiros mais treinados…
Achachic nos disse também que quando um povo não aceitava a rendição ou se rebelava, os quéchuas eram vingativos e cruéis. Os vencidos portanto eram taxados por pesados impostos e levados para Cusco como escravos. Em suma, designados, dessa forma para todos trabalhos pesados. Ou seja o transporte de enormes blocos de pedra utiliados nas construções incas.
Apesar de geralmente não destruir as cidades do povo vencido, o Inca nela ingressava em sua liteira, cujos carregadores pisavam sobre os guerreiros derrotados, deitados no chão. O rei vencido era, aliás, exibido nu.

“O Ouro Maldito dos Incas” – a colonização inca


As crueldades na guerra civil entre Huásr e Atahualpa

Ficamos um momento em silêncio. Intrigavam-meigualmente as crueldades cometidas contra os partidários de Huáscar durante a guerra entre os dois irmãos. O que Achachíc teria a dizer sobre isso?
– Essa foi uma guerra muito cruel… Não se tratou, entretantop, de mais uma pequena conquista. Atahualpa quis se vingar do irmão e, nos casos em que a resistência dos partidários de Huáscar foi muito feroz, seus guerreiros foram escravizados e as suas mulheres, entregues aos soldados quitenhos. Atahualpa quis inibir qualquer possibilidade de resistência dos cusquenhos.

“O Ouro Maldito dos Incas” – a colonização inca

Tomar Cusco para garantir a conquista

A estrondosa vitória obtida em Cajamarca aumentou assim a segurança de Pizarro que anunciou que pretendia tomar Cusco e, em suma garantir a conquista.
Conquista? A maioria dos soldados não estava interessada em conquistar mais nada. Sabíamos que em Cajamarca, principalmente naquela praça, os índios nunca nos atacariam. Mas como as coisas se passariam quando avançássemos entre vales e desfiladeiros? Apesar dos reforços trazidos por Almagro, éramos certamente muito poucos, se comparados à quantidade de guerreiros que teríamos que enfrentar. Em suma, duzentos e cinquenta espanhóis contra dezenas de milhares de índios. Pior, os nativos começavam igualmente a conhecer nossas táticas, como agíamos. Ainda mais, muito importante, em que tipo de terrenos preferíamos livrar batalha. Com uso de cavalos?
Dessa forma, Assustados, soldados que participaram da captura de Atahualpa julgavam que já tinham bastante ouro e falavam em voltar para a Espanha.

“O Ouro Maldito dos Incas” – a colonização inca

Por que arriscar?

Para que prosseguir e arriscar nossas vidas?, perguntavam os soldados. Já estamos suficientemente ricos. Queriam é voltar vivos pra desfrustar desse ouro!
Comentavam que nunca mais gostariam de passar pelo pavor que os assaltara ao marcharem de encontro às tropas de Atahualpa. Pablo era um deles. Seu pai morrera e lhe deixara uma pequena propriedade, que ele queria ampliar. Meu primo tinha alma de camponês, pensava na terra. Queria plantar na Andaluzia coisas do Peru, como batata, milho e abóbora. Eu mal podia acreditar. Com todo o ouro obtido em Nova Castela, ele queria plantar batatas!
Não tem na Espanha, vou ficar ainda mais rico! Eu dei risada. Mas um dia reconheceria que era ele, afinal, quem tinha razão…

“O Ouro Maldito dos Incas” – a colonização inca

Voltar para casa só depois da tomada de Cusco

Eu sabia, porém, que Pizarro iria obrigar todo mundo a segui-lo até Cusco. Depois talvez liberasse os que desejavam partir. Expliquei isso a Pablo, que falou um palavrão e torceu o nariz.
Inferno!
Procurei acalmá-lo. Tudo estava dando certo. Os índio sofreram uma derrota da qual nunca mais se esqueceriam. Pablo acabou por relaxar.
E você? – perguntou ele. – O que pensa em fazer se Pizarro o liberar?
Eu sabia muito bem o que queria: mais ouro. Não queria voltar à Espanha para ser campônio. Pretendia viver de meu ouro, e para isso estava disposto a ficar mais tempo no Peru.

Quem tudo quer…

Depois voltou-se para mim.
Cuidado, primo. Às vezes, quem tudo quer, tudo perde.
Não lhe dei atenção. Pablo era meio cagão. Conseguira um pouco de ouro e já queria sair correndo como um ladrãozinho que rouba uma galinha. Pusemo-nos em marcha em 11 de agosto. Alguns de nós não conseguiam esconder a preocupação e chegaram a se confessar, temendo morrer em pecado. Um confissionário tosco foi montado para isso mesmo. Mas, acompanhando Ortiz, não me confessei.

“O Ouro Maldito dos Incas” – a colonização inca

O avanço rumo a Cusco

Os Curacas e o jovem imperador, que, de acordo com os costumes incas, viajava em sua liteira, acompanhado de todo um aparato e igualmente Pizarro com a cavalaria. O grosso da tropa, porém, seguia logo atrás. No final da fila, índios recrutados em Cajamarca, escravos africanos e nativos da Nicarágua transportavam o ouro e provisões.
A jornada transcorreu assim sem novidades,.à noite, porém, quando já estávamos acampados, chegaram notícias não muioto bomas. Ou seja, o irmão de Tupac Hualppa, enviado com uma dezena de guerreiros para verificar as condições das pontes que teríamos que atravessar, fora morto por quitenhos.

“O Ouro Maldito dos Incas” – a colonização inca

Avisei que não seria fácil

Não disse que não seria assim tão fácil? – disse Pablo, apreensivo.
Surgiram do nada e eram também numerosos. Só falta morrer agora com todo esse ouro que consegui ganhar.
Respirei fundo, já irritado. Meu primo me deixava nervoso.
Não vamos morrer. Pare, portanto,com essa conversa!
Depois disso, durante dias a fio, ao contrário do que imaginávamos, os guerreiros de Quito mantiveram-se, porém, distantes. Aproveitamos igualmente a excelente estrada inca para avançar muitas léguas por dia. Tensos, certamente, cruzávamos vales e colinas, sem saber se, repentinamente, uma multidão de guerreiros nos atacaria. Temeroso de alguma ofensiva indígena, Pizarro resolveu assim enviar cavaleiros e índios quéchuas, que conheciam bem a região, como batedores.

“O Ouro Maldito dos Incas” – a colonização inca

Huamachuco

No dia 17, um domingo, chegamos enfim a Huamachuco. Finalmente, uma cidade maior. Ou seja, quase do tamanho de Cajamarca, onde ficava um santuário religioso profanado por Atahualpa. Foi onde, alias, o Inca assassinou seu sacerdote, após tratá-lo de mentiroso. Afinal, suas previsões nunca se concretizaram.
Nós, porém, fomos bem recebidos pelo povo e igualmente pelos curacas locais. Assim, depois de falar a Pizarro garantiram provisões para a tropa nos tambos da estrada para Cusco. Essas provisões seriam portanto de grande ajuda para nós, já cansados de frio e fome. Afinal, os tambos junto das estradas incas tinham não apenas comida, mas igualmente abrigo e mantas de lã de lhama perfeitas para o frio das alta serras. Nos vales, porém, era mais fácil, à cavalo caçar uma lhama e ter assim também alguma carne fresca. Ou seja, pode variar.

“O Ouro Maldito dos Incas” – a colonização inca

Siga a continuação desta postagem: A colonização inca

Como um analfabeto no comando de menos de duzentos homens, com pouca ou nenhuma experiência militar, conseguiu dominar um império de doze milhões de pessoas ?

Você gosta de viajar? Então veja dicas preciosas e fotos dos principais destinos turísticos do mundo:

youtube.com/c/SonhosdeViagemBrasil
 instagram.com/sonhosdeviagembrasil 
facebook.com/sonhosdeviagembrasil

Temos, igualmente, neste blog o livro-a-vaca-na-estrada/, fartamente ilustrado. É o relato de uma viagem sabática, de carro de “Paris a Katmandu” com um amigo francês. Uma longa aventura por desertos e montanhas na Turquia, Irã, Afeganistão (antes do Talibã), Paquistão, Índia e Nepal.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é 2.jpg

Leia também neste blog o livro “A Vaca na Estrada“, uma viagem de Paris a Katmandu, no Nepal, de carro. Mais um livro, como este, totalmente ilustrado por imagens que acompanham o texto.

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x