Livro; O Ouro Maldito dos Incas

017 – Anno de 1532 – O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é CAPA-MONTAGEM-PIZARRO-OK.jpg
O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

A guerra civil no Império Inca: um país dividido

Um guerra civil Inca dividiu o Império. Desejando saber mais sobre o que acontecia, Pizarro ao contrário do que esperávamos, poupou a vida de Chilimasa. 84 alto Queria tê-lo consigo e interroga-lo mais a fundo. Assim, quando alguns, como Hernando e Gonzalo, protestaram, o Gobernador explicou: o homem poderia ser útil. Olhou-o com o rabo dos olhos:
Ele sabe de muitas coisas. 84 no alto
Pizarro nos ordenou, então, marchar para Tumbes. Ao nos aproximarmos, ficamos chocados com a destruição. As tropas de Atahualpa, aliadas dos índios de Puná devastaram o território. Assim, quando entramos na cidade vimos corpos das vítimas dos ataques apodrecendo dentro de cabanas. Muitos estavam parcialmente comidos por ratos e insetos. Ou seja, nós, que esperávamos encontrar ouro e alimento na cidade visitada por Molina três anos antes, nos decepcionamos.

O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

Guerra civil no Império Inca: destruição e morte em Tumbes

A cidade estava vazia. Ou seja, a população que sobrara, assustada conosco, se deslocara para o sul, às margens do rio Tumbes, que corta a região.
Descobrimos também que nossa visita anterior a Tumbes era a provável causa da epidemia de varíola. Fora essa região, onde encontráramos os primeiros sinais de riqueza, que nos fizera tentar a conquista desse território. Agora, tudo o que deparávamos era somente um espetáculo de destruição e morte.

A cidade de pedra de Molina

Nos supreendemos, entretanto, ao chegar a Tumbes. Em outras palavras, embora tivesse muralhas, não era uma cidade com paredes de pedra, como no desenho feito por Candía. As construções eram de adobe
PIzarro interrogou o grego. Este abriu os braços e confessou que inventara a tal cidade de pedra para impressionar os conselheiros reais. Conseguira! Ou seja, seu desenho fora, na realidade, inspirado em ruínas da ilha de Creta, onde nascera. Pizarro o fitou muito sério, olhos arregalados.
Em outras palavras, então tudo isso era mentira?

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é CASA-DE-PEDRA-CUSCO-2-OK.jpg
O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

Senhor… Se eu não tivesse feito isso, não teríamos obtido nada do Conselho… Meu desenho ajudou portanto a convencê-los. A mentirinha ajudou...
Voltamo-nos para o grego, incrédulos. Ele era ousado! Enganara o rei e toda sua corte. Pizarro ficou um momento parado, encarou Candía, disfarçou um sorriso:
Pela Santa Virgem! Se souberem disso em Madri nos matam…

O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

As doenças de guerra

Meu primo ficou com Felipillo e José. Afastei-me com Pizarro, seus irmãos e outros veteranos que faziam, em razão de sua experiência, o papel de oficiais. Formamos logo uma roda. Pizarro sentou-se numa pedra. Olhou-nos e comentou o que os intérpretes comentaram. Ou seja, que a maioria dos índios, ao contrário dos espanhóis, não tinham a menor resistência a varíola, sífilis e, igualmente, a outras doenças do homem branco.

O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

Dessa forma, as doenças espalhavam-se pelas aldeias como uma praga. Era triste, mas não pudemos deixar de pensar que, para nós, espanhóis, era igualmente útil, porque abalava o mundo deles. Segundo fomos informados, as primeiras pessoas a adoecer foram as índias violentadas pelos soldados. Os poucos indígenas que tiveram contato com os espanhois que tinham ficado em Tumbes na expedição anterior igualmente se contaminaram..
Foder as índias virou arma de guerra– comentou um dos presentes, o que fez os soldados caírem na risada.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é varíola-11-ok.jpg
O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

Doenças como armas de guerra

Hernando levantou-se, passou a mão pela barba, olhou para o chão. Ele tinha uma teoria:
Sabe o que mais, Gobernador? O melhor é pegar umas índias, deixar os soldados se divertirem com elas. Depois as soltamos para que voltem às suas aldeias. Assim, é só esperar que fiquem com aquelas manchas vermelhas na pele. Passarão doenças para todo mundo. Desse modo haverá mais um problema para eles se ocuparem e menos gente para nos atacar.

A doença se espalhando

Pizarro não disse nada, só franziu o rosto, pensativo. A maioria compartilhava da opinião de que, quanto mais selvagens morressem, melhor seria para nós. Nem todos os indígenas, porém, sucumbiam quando contraíam essas enfermidades no contato conosco. Os intérpretes, por exemplo, continuavam saudáveis. Porém, uma única índia doente poderia, entretanto, dar cabo de mais guerreiros de sua aldeia do que um de nossos esquadrões a cavalo. Seus cemitérios escavados em montanhas, perto de Cusco, estavam, aliás, ficando lotados.

O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império IncaCemitérioio inca

Talvez fosse, enfim, a vontade de Deus que as coisas se passassem daquela forma. Era possível, em suma, que os cristãos contassem com a ajuda divina. Ela seria talvez necessária para destruir um reino cruel, em que pessoas eram sacrificadas diante de ídolos pagãos. Em suma, e povoá-lo com homens tementes a Deus. O galeguinho, meu primo e Toledo concordaram. Ortiz sorriu enigmático:
Talvez…

Maizavilca

Em 16 de maio partimos de Tumbes. Nossa próxima etapa foi um povoado chamado Poechos. Seu cacique, de nome Maizavilca, nos recebeu com boa comida e, ainda mais, nos ofereceu cabanas decentes, onde poderíamos ficar.
Pizarro ponderou que não seria bom naquele momento criar problemas com os nativos. Ou seja, duvidava de que seus homens se portassem com dignidade se vissem ouro ou uma índia bonita. Dessa forma, mandou-os que acampassem fora do povoado.
A região, aliás, pareceu a todos muito agradável. Nosso comandante achava que precisávamos tomar fôlego. Afinal, tínhamos frutas, milho, batatas, abóboras e carne para come. Além disso, estávamos também bem instalados em cabanas confortáveis.

O Ouro Maldito dos Incas” –
a guerra civil no Império Inca

Os caciques e os viracochas

Outros caciques da região foram para Poechos conhecer os tais viracochas. Assim, Pizarro pode lhes falar do rei da Espanha, da religião católica e da Verdadeira Fé. Todos escutaram com muita atenção o que ia sendo traduzido por Felipillo. Não devem, entretanto, ter entendido quase nada. Aliás, o cristianismo e seus dogmas talvez fossem assuntos muito complicados para selvagens. Afinal, cultuavam o o sol, e outras divindades que vimos em templos incas.

O Ouro Maldito dos Incas” –
a guerra civil no Império Inca

Hernando Pizarro

Apesar das boas relações do Gobernador com Maizavilca, dias mais tarde um grupo de espanhóis que participava de uma expedição nos arredores foi atacado. Decidido assim a punir os culpados, Pizarro partiu à sua captura com um grupo de cavaleiros. Nos deixou, portanto, sob o comando de Hernando, considerado antipático pela tropa.
Em Sevilha, dizia-se que ele era tão orgulhoso quanto pobre… Era filho legítimo de um fidalgo, mas não tinha onde cair morto. Agora vive destratando todo mundo – disse-me Ortiz, que também não gostava dele.

Hernando se indispõe com os índios

Hernando exigia, ainda mais, de modo arrogante, que os índios lhe trouxessem comida e capim para os cavalos. Por qualquer motivo os punia de forma cruel e humilhante. Sua atitude acabou, portanto, com a boa vontade dos nativos para conosco. O que antes faziam de bom grado, agora, porém, se recusavam; só aceitavam colaborar quando ameaçados por Hernando e seus cães. Gonzalo e Juan Pizarro também contribuíam para envenenar a situação com os índios. Ou seja, maltratavam os nativos sem nenhum motivo.Anteriormente, aliás, mais de uma vez o Gobernador chamou sua atenção. Mas parece que não adiantou muito. Afinal seus irmãos eram não apenas grosseiros, mas de caráter difícil. O melhor deles era o jovem Pedro, que trabalhava como pajem para Pizarro.87

O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

Um curioso personagem

Certa manhã chegou à aldeia um curioso personagem, com um cesto de frutas nas costas, oferecendo-as aos soldados em troca de um botão ou de uma fivela velha. Os soldados riram de seu jeito, porém, deixaram-no perambular pelo acampamento.
O índio, demasiado curioso, com a cabeça coberta por um gorro, prestava atenção em tudo. Nas armas que usávamos, nos cavalos, principalmente, em como as ferraduras eram colocadas nos animais, o que comiam. Rearou igualmente nos cachorros e, em nós. Com seus olhos atentos e suas enormes orelhas não perdia um movimento nosso.

O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca –
Os orejones

Os piolhos que infestavam os soldados

Detinha-se até para admirar o trabalho do barbeiro, encarregado de raspar as barbas e os cabelos dos que pegavam piolhos. Os insetos, aliás, infestavam as cabeças de muito dos soldados. O índio olhava para nós como se comparasse os rostos de espanhóis com barba e sem ela. Ao que parece estava surpreso com a quantidade de piolhos que pegávamos. Afinal, raramente tomávamos banho.

O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

Está olhando o que?

Depois de uns dias, ele se aproximou de Toledo, que costurava uma camisa, e deu um puxão em sua barba. A reação de Álvaro foi imediata: deu uns bofetões no índio, insultando-o e chamando-o de filho de uma cadela.
O curioso nativo, para seu azar, acabou se indispondo igualmente com Hernando Pizarro. Chegou muito perto dele e observou-o de modo insistente, o que chamou a atenção de nosso irascível capitão.
Está me olhando assim por quê?. E expulsou-o a pontapés.

O interrogatório de Hernando

Dois dias mais tarde, Pizarro chegou à aldeia com curacas acorrentados.
Foram os que comandaram os ataques contra os espanhóis, avisou a Hernando, que fora recebê-lo na entrada no povoado. Estava decidido a dar-lhes uma lição. Obedeciam Atahualpa porque o temiam? Bem, era preciso começarem a também nos temer. Ainda mais, alguns soldados começavam a dar mostras de insatisfação à medida que ouviam boatos de que Atahualpa nos esperava com milhares de guerreiros. Já havia quem falasse em se abrigar os navios que nos acompanhavam. Chegara, portanto, a hora de mostrar firmeza.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é cães-bravos-1-ok.jpg
O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império IncaOs cães de Hernando

Os caciques capturados foram assim colocados no centro de uma roda formada por soldados, para serem submetidos a um rigoroso interrogatório. Hernando quis que fossem executados de imediato e entregues aos seus cães, como, aliás, ele já fizera antes com dois índios teimosos que o desobedeceram e acabaram dessa forma despedaçados a dentadas.

O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

Os cacique estrangulados

Dessa vez, porém, Pizarro quis proceder de modo formal, aplicando a pena de morte segundo as leis espanholas. Portanto, os caciques foram apenas interrogados por Hernando, que os ameaçou com seus cães para fazê-los falar.
Como esperávamos, confessaram o que ele queria: pretendiam matar nossos soldados. Assim, foram amarrados em um poste na frente dos espanhóis e dos índios, que, mais afastados, assistiram ao estrangulamento. Nós já sabíamos nesse caso como funcionava. A simples execução consistia em quebrar rapidamente o pescoço do condenado. Nesse caso não. O infeliz era amarrado e pendurado. Assim, morria sufocado. A boca se abria sozinha, os olhos ficavam esbugalhados, até que, completamente sem ar, o pobre diabo finalmente morria.

foto 15 O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

Uma punição sofrida

Os índios, embora acostumados com as crueldades praticadas pelos incas, ficaram impressionados. Eu e outros soldados nos sentimos, entretanto, incomodado. Afinal, era desagradável para a maioria assistir a essas execuções. Muitos, entretanto, pareceram gostar, como Juan e Gonzalo Pizarro, que não se comoviam. Ou seja, não se chocavam com nada e até gracejavam.
Em seguida os corpos foram jogados numa grande fogueira. O odor de carne queimada nos revirou o estômago. A execução assustou não apenas os índios; mas também fez os soldados que falavam em desertar calarem a boca.

A fuga de Maizavilca

No dia seguinte, Maizavilca, apavorado, depois de ser agredido por Hernando, tentou fugir, mas foi capturado por por Ponce de León poucas léguas adiante. Quando foi colocado diante do Governador, Pizarro o interrogou. Queria saber a razão de sua fuga. Teria algo a ver com a rebelião dos caciques?
Maizavilca jurou que não. Quem traduziu suas palavras foi José.
Ele apenas teve medo, senhor.
Pizarro segurou o curaca pelos cabelos e olhou para o intérprete.
Pois bem, diga-lhe que, se for nosso amigo leal, não terá o que temer. Mas se nos trair, será morto. Desta vez, pelos cães de Hernando. Soltou-o e virou as costas.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é fuga-de-malzavica-ok.jpg
O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

O está acontecendo?

Abordei José logo em seguida.
O que está acontecendo com essa gente?
O índio abaixou a cabeça e permaneceu calado.
Fala, homem! – insisti.
Ele suspirou, ergueu os olhos para mim.
Temem Atahualpa. Tomaram partido de Huáscar e você viu o que se passou: as mortes, a destruição das aldeias… Muitas delas foram incendiadas. Agora eles têm muito medo de Pizarro, mas continuam temendo Atahualpa, que está por trás dos ataques contra os espanhóis.

O Ouro Maldito dos Incas” – a guerra civil no Império Inca

Entre a cruz e a espada

José prosseguiu.
Assustam-se com os cães de Hernando, mas, ao mesmo tempo, têm medo de, ainda vivos, terem a pele arrancada. Em suma, acreditam que seus filhos possam ser mortos pelos quitenhos; que suas mulheres, entregues aos soldados de Atahualpa, nunca mais voltem. Não sabem que atitude tomar.
Mordi os lábios. Logo entendi a situação dos nativos e cheguei a ficar com pena desses coitados. Mas, o que poderíamos fazer, se nos atacavam?

Siga o relato: San Miguel de Tangarará

Como um analfabeto no comando de menos de duzentos homens, com pouca ou nenhuma experiência militar, conseguiu dominar um império de doze milhões de pessoas ? 

*****

Você gosta de viajar? Então veja dicas preciosas e fotos dos principais destinos turísticos do mundo:

youtube.com/c/SonhosdeViagemBrasil
 instagram.com/sonhosdeviagembrasil 
facebook.com/sonhosdeviagembrasil

Temos, igualmente, neste blog o livro-a-vaca-na-estrada/, fartamente ilustrado. É o relato de uma viagem sabática, de carro de “Paris a Katmandu” com um amigo francês. Uma longa aventura por desertos e montanhas na Turquia, Irã, Afeganistão (antes do Talibã), Paquistão, Índia e Nepal.

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x